Eu, Flavia C.

Você é uma droga.

Causa euforia, alegria, alucinações, perturbações e dependência. Você me faz pensar que sua falta me faz mal; me faz querer sempre mais de você. Mas não é a falta, é a presença que não me faz nada bem.

Reconhecer o vício não é o primeiro passo?  Eu disse sim, sim, sim àquela rehab que a Amy disse ‘no’.

Todos os dias, levanto e faço promessas a mim mesma: só por hoje eu não vou te ligar, só por hoje eu não quero notícias suas, só por hoje não vou te stalkear, só por hoje foda-se você.

E tem dado certo, sabe? Posso dar testemunho:

“Oi, meu nome é Flavia, tenho 23 anos, sou viciada em você e estou limpa há 53 dias”.

Um só por hoje diariamente renovado.

Só por todos os dias.